domingo, maio 18, 2008

Wallace Stevens II

A CASA ESTAVA QUIETA E O MUNDO CALMO

A casa estava quieta e o mundo calmo.
Leitor tornou-se livro e a noite de verão

Era como o ser consciente do livro.
A casa estava quieta e o mundo calmo.

Palavras eram ditas como se livro não houvesse,
Só que o leitor debruçado sobre a página

Queria debruçar-se, queria mais que muito ser
O sábio para quem o livro é verdadeiro

E a noite de verão é perfeição da mente.
A casa estava quieta porque tinha de estar.

Estar quieta era parte do sentido da mente:
Acesso da perfeição à página.

E o mundo estava calmo. Em mundo calmo.
Em que não há outro sentido, a verdade

É calma, é verão e é noite, a verdade
É o leitor insone e debruçado a ler.


(tradução: Paulo Henriques Britto)

(Wallace Stevens. In: Transport to Summer)

0 Anátemas

Postar um comentário

Criar um link

<< Home