quarta-feira, outubro 03, 2007

Arthur Rimbaud II

A MALICIOSA


Na escura sala de jantar, que recendia
Um forte odor a fruta e a verniz de madeira,
Peguei um prato de não sei qual iguaria
Belga, e me esparramei numa enorme cadeira.

Escutava o relógio, ao comer - muito pensativo
E feliz - quando a porta abrindo em baforada
Vem da cozinha a criada e, sem qualquer motivo,
- Xale frouxo, excitante e muito bem penteada;

A passear um dedinho em sua veludosa
Face, que era um pêssego branco e cor-de-rosa,
E a fazer um muxoxo infantil, que era um gosto, -

Arranjar ao meu lado o prato, dando ensejo,
E me diz: - claro, eu sei, para ganhar um beijo -
Baixinho: "Vê, peguei uma friage no rosto..."


(tradução: Ivo Barroso)


(Arthur Rimbaud. In: Poesia Completa)

1 Anátemas

Blogger Eu disse...

ola thiago, parabeinizo sua página seus poemas e os textos que vc seleciona para por no seu blog, meu nome é anderon e colaboro com uma revista literária chamada armadilha poética gostaria de saber se vc pode me conceder uma entrevista meu e-mail é luizdovalefon@hotmail.com

12:34 AM, outubro 07, 2007  

Postar um comentário

Criar um link

<< Home