terça-feira, dezembro 18, 2007

Fernando Pessoa II

QUEM BATE à minha porta
Tão insistentemente
Saberá que está morta
A alma que em mim sente?

Saberá que eu a velo
Desde que a noite é entrada
Com o vácuo e vão desvelo
De quem não vela nada?

Saberá que estou surdo?
Porque o sabe ou não sabe,
E assim bate, ermo e absurdo,
Até que o mundo acabe?


(Fernando Pessoa. In: Cancioneiro)

1 Anátemas

Blogger Leandro Jardim disse...

gosto desse do F.P.

"Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive."

4:27 PM, dezembro 20, 2007  

Postar um comentário

Criar um link

<< Home